IMPORTAÇÃO E CIGARRINHA ESTIVERAM NA PAUTA DA CÂMARA DO MILHO E SORGO

A possível necessidade de se importar milho neste ano, bem como o combate à cigarrinha, foram abordados na reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo, realizada nesta quinta-feira, 08. Estênio Faria, representante da Associação das Empresas Cerealistas do Brasil (ACEBRA), esteve presente na reunião.

IMPORTAÇÃO DE MILHO E OGM


Sérgio Mendes, da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (ANEC), apontou que é muito provável que o Brasil tenha que importar milho neste ano. Considerando que tal importação possivelmente implicaria na entrada de produtos com presença adventícia de traços de organismos geneticamente modificados (GMO) no país, um documento será encaminhado à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, solicitando que interceda junto à Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) que a importação, caso se consolide como realmente necessária, seja autorizada, em especial para produção de ração e nutrição animal.

BIOAS


Iêda Carvalho, da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), apresentou o estudo Análise Biológica dos Solos- BioAS, desenvolvido pela entidade ao longo dos últimos 20 anos. O ativo BioAS é uma tecnologia que agrega o componente biológico às análises de rotina de solos. É uma inovação que está alinhada ao objetivo de viabilizar tecnologias que promovam a sustentabilidade das atividades agrícolas com o equilíbrio ambiental. Carvalho pontuou que cuidar da saúde do solo faz bem “para o solo, para as plantas, para os seres humanos”, e ressaltou que o estudo é uma ferramenta que somente os produtores brasileiros poderão acessar, uma vez que não existe outro semelhante nos demais países. Esse cuidado reflete em maior produtividade, com menor uso de defensivos agrícolas e menor gasto de água, o que contribui para uma agricultura mais sustentável.

COMBATE À CIGARRINHA DO MILHO


Sérgio Bortolozzo, presidente da Câmara, solicitou que fosse criado um grupo de trabalho para estudos e combate à cigarrinha, praga que causa o enfezamento nas plantas de milho. Desde 2017, essa praga tem afetado fortemente lavouras de milho em muitas regiões produtoras do país. Entidades que participam da Câmara formarão o grupo, que, após levantamentos, apresentará ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) caminhos a serem percorridos no combate à cigarrinha.

GUIA DE BOAS PRÁTICAS NA ARMAZENAGEM


Marco Aurélio Pimentel, da Conab, apresentou uma cartilha, elaborada pela entidade, em que instrui produtores sobre a aplicação correta de inseticidas em grãos de milho armazenados. Durante 2020, o Mapa acompanhou a aplicação indevida de inseticidas, e após essa análise, juntamente com outras entidades, optou por produzir um material educativo para os produtores. O material tem linguagem simples, fotos ilustrativas e indicações de quais inseticidas usar, considerando os que são registrados e liberados pelo Ministério. O próximo passo é a impressão do material e a distribuição para o público devido.

A próxima reunião da Câmara será em julho.

Texto: Marília Souza/ACEBRA

Compartilhe com seus amigos!